Odontologia – IBvet

Osteossíntese mandibular em equinos – Relato de caso

Paulo Henrique Rodrigues Borges


Monografia apresentada para conclusão do Curso de Especialização Lato Sensu em Odontologia Equina pela Faculdade Jaguariúna em convênio com o Instituto Brasileiro de Formação Profissional – IBVET, sob a orientação do Professor Carlos Henrique Câmara Saquetti, Jaguariúna, 2017.


Resumo:

Fraturas de ossos da mandíbula em equinos é o trauma ósseo da região da face mais comumente encontrado. A síntese desses ossos é extremamente desafiadora ao cirurgião visto que é uma área extremamente contaminada, instável e geralmente atingem os tecidos moles adjacentes. Como cada fratura tem sua característica especifica o conhecimento de diversas técnicas facilitará ao médico veterinário a escolha do melhor método, levando em conta o material disponível e a experiência do cirurgião. O tratamento consiste em estabilizar o foco de fratura restaurando a anatomia óssea e o alinhamento dentário, associado à antibioticoterapia. Os sinais clínicos variam de acordo com a severidade da lesão ocorrida podendo ser desde salivação excessiva, protusão da língua, inchaço dos tecidos moles, inabilidade de fechar a boca e dificuldade de apreensão do alimento. Relata-se o caso de um cavalo da raça Quarto de Milha, 8 anos de idade, 450 kg, com histórico de trauma na região mandibular mesial. O animal foi submetido a exame radiográfico onde ficou evidenciada a fratura completa e bilateral do osso mandibular. Utilizou fio de cerclagem 0,9mm e resina bisacrílica autopolimerizavel como método de osteossíntese. O animal apresentou capacidade de mastigação e ingestão voluntária no pós-operatório e recuperação óssea adequada mostrando assim um resultado satisfatório.


Para ler o artigo na íntegra faça seu login

Acesso GRATUITO, mas restrito!

Para liberar você precisa se identificar ou cadastrar usando o formulário abaixo.


Já possuo cadastro
 

Quero criar/renovar o cadastro
 

Sialolitíase em equino – Relato de caso

Roberto dos Santos Zambrano



Monografia apresentada para conclusão do Curso de Especialização Lato Sensu em Odontologia Equina pela Faculdade de Jaguariúna em convênio com o Instituto Brasileiro de Veterinária – IBVET, TURMA 01, sob orientação da Prof.(a) Rita de Cássia Campebell, Jaguariúna-SP, 2017.

Resumo

Sialolitíase é uma afecção que afeta as glândulas salivares ou seus ductos, caracterizada pela presença de estruturas calcificadas, denominadas de sialolitos, com crescimento lento e gradual, geralmente assintomático, dificultando ou impedindo o fluxo normal de saliva. Devido à ausência de relatos na literatura nacional, descreve-se o caso de uma égua de 15 anos, que apresentava um sialolito de 13 cm no ducto parotídico, próximo à crista facial, há mais de 2 anos. O diagnóstico foi realizado através do exame clínico, com a visualização e palpação da estrutura, radiografia, ultrassonografia e avaliação odontológica. Optou-se pelo tratamento cirúrgico, através do acesso percutâneo, que é o mais indicado para cálculos grandes, realizando-se sutura do ducto de Stenon, sem presença de fístulas no pós operatório. Foi de extrema importância a avaliação e cuidados odontológicos durante a realização do procedimento, pois as pontas dentárias facilitam a formação dos cálculos.


Para ler o artigo na íntegra faça seu login

Acesso GRATUITO, mas restrito!

Para liberar você precisa se identificar ou cadastrar usando o formulário abaixo.


Já possuo cadastro
 

Quero criar/renovar o cadastro