reprodução equina – IBvet

Utilização de progesterona em receptoras de embriões equinos

Rodrigo Alves Monteiro


Monografia apresentada para obtenção do título de Especialista Lato Sensu em Reprodução Equina Pela Faculdade de Jaguariúna em convênio com o Instituto Brasileiro de Veterinária– IBVET, TURMA 14, sob orientação da Profa. Dra. Maria Augusta Alonso.


Resumo:

Ao longo dos anos a progesterona vem sendo usada amplamente com o intuito de melhorar os resultados e disponibilizar melhores receptoras em programas de transferência de embriões. Este hormônio é produzido pelo corpo lúteo e tem como uma das características principais a inibição do estro e por exercer um papel essencial para manutenção da gestação das éguas. Atualmente, novos protocolos à base de progesterona vêm sendo usados com o intuito de reduzir o número de receptoras e consequentemente diminuir os custos dentro de um programa de transferência de embriões, visto que se torna muito oneroso a manutenção de muitos animais dentro de um plantel, além de disponibilizar aqueles animais impossibilitados de ingressar em um programa devido às limitações fisiológicas. Assim, torna-se importante realizar uma revisão sobre os diversos usos de protocolos de progesterona em receptoras de embrião equinas, visto que estas são um ponto fundamental no sucesso dessa técnica.


Para ler o artigo na íntegra faça seu login

Acesso GRATUITO, mas restrito!

Para liberar você precisa se identificar ou cadastrar usando o formulário abaixo.


Já possuo cadastro
 

Quero criar/renovar o cadastro
 

Comportamento sexual de garanhões e principais alterações

Paola Tábata Medes


Monografia apresentada para conclusão do Curso de Especialização Lato Sensu em Reprodução Equina pela Faculdade Jaguariúna em convênio com o Instituto Brasileiro de Formação Profissional – IBVET, sob a orientação do Professor (a) Dra. Maria Manoela Castro Chaves, Jaguariúna-SP, 2017.


Resumo:

Para ter uma saudável e rentável criação de equinos, é necessário observar e compreender melhor a organização social desses animais, tanto na natureza como estabulados, bem como o comportamento sexual dos garanhões durante a cópula natural ou assistida. Na natureza os equinos se organizam em rebanhos e esses são subdivididos em três grupos, denominados harém, banda de garanhões solteiros e banda de transição. Os animais de cada grupo vivem e se organizam de forma hierárquica, em que os dominantes, geralmente, possuem o respeito dos dominados. A prioridade desses animais é manter-se unidos, protegidos e atentos contra-ataques de animais de outra espécie, ou de equinos de outro grupo. A proteção dos grupos é normalmente realizada pelo garanhão principal, esse é o objetivo dele, e não apenas cobrir as éguas do harém. Em oposição à vida de garanhões selvagens, os garanhões domesticados, que possuem valor genético, são criados para a reprodução. Esses animais são normalmente confinados e afastados das fêmeas quando atingem a puberdade. O ambiente, a interação sociosexual, o manejo e a rotina reprodutiva são alguns dos fatores que podem alterar o comportamento sexual dos garanhões. Esses animais podem apresentar distúrbios comportamentais que, na grande maioria, pode ser consequência de uma manipulação errônea. O presente trabalho objetivou realizar uma revisão de literatura a respeito do comportamento sexual normal de garanhões de vida livre e dos estabulados, bem como as alterações comportamentais normalmente vista nos animais que são criados artificialmente.


Para ler o artigo na íntegra faça seu login

Acesso GRATUITO, mas restrito!

Para liberar você precisa se identificar ou cadastrar usando o formulário abaixo.


Já possuo cadastro
 

Quero criar/renovar o cadastro
 

Clonagem em equinos, passado, presente e perspectivas futuras

Ana Paula Ferrarezi Alves da Silva



Monografia apresentada para conclusão do Curso de Especialização Lato Sensu em Reprodução Equina pela Faculdade Jaguariúna em convênio com o Instituto Brasileiro de Formação Profissional – IBVET, sob a orientação do Professor (a) Claudia Barbosa Fernandes, Jaguariúna, 2017.

Resumo

A clonagem animal reflete um grande avanço na biotecnologia animal e desperta interesse, cada vez maior, em produzir animais de padrões genéticos superiores, ou manter características desejáveis nos rebanhos. A transferência nuclear é uma técnica que vem sendo utilizada, estudada e melhorada para que seja possível a obtenção de clones equinos com uma menor perda nos processos, tanto nas etapas laboratoriais quanto na gestação, parto e pós parto. Portanto, o presente trabalho traz como objetivo apresentar uma revisão de literatura sobre a clonagem equina, abordando a modificação da técnica ao longo dos anos, bem como as taxas de concepção, e os problemas enfrentados, tanto na produção de embriões quanto ao nascimento dos animais.


Para ler o artigo na íntegra faça seu login

Acesso GRATUITO, mas restrito!

Para liberar você precisa se identificar ou cadastrar usando o formulário abaixo.


Já possuo cadastro
 

Quero criar/renovar o cadastro
 

Olá, tem alguma dúvida?

Fale conosco via WhatsApp